Atualmente, os vídeos da Sessão Plenária não podem ser enviados ao Departamento de Governo da Generalitat ou à Administração Geral do Estado (AGE). O AOC está trabalhando em conjunto com a Generalitat para possibilitar o envio breve das atas das atas das resoluções do plenário, complementadas, se necessário, com um link para o documento multimídia do debate em plenário.

A vigésima primeira disposição adicional da Lei n.º 40/2015, de 1 de outubro, sobre o Regime Jurídico do Setor Público (LRJSP) estabelece claramente que as disposições desta Lei relativas aos órgãos colegiados não são aplicáveis aos órgãos colegiados.

Por outro lado, as normas vigentes nesta matéria, embora contemplem o uso de meios mecânicos para a transcrição dos atos, ainda estipulam que a preparação dos livros deverá ser feita em papel numerado da Comunidade Autônoma (arts. 198 e 199 do Real Decreto 2568/1986, de 28 de novembro, que aprova o Regulamento de organização, funcionamento e regime jurídico das Entidades Locais - ROF). Mas este regulamento de 1986 não está adaptado à implementação do procedimento administrativo eletrónico.

Portanto, a doutrina majoritária considera que a validade deste regulamento não é obstáculo para contemplar a operação híbrida da elaboração dos atos, pois não é lógico forçar a tramitação integral do arquivo em formato eletrônico e, na fase final, considerar apenas a impressão, rubrica e encadernação desta documentação.

Portanto, é possível que a convocação da sessão, as notificações, a formação do arquivo, o acesso às informações, a emissão de certidões e a possibilidade de realização de vídeo actuem conforme previsto no art. 18 da LRJSP, são feitas por meio eletrônico.

Especificamente, no que diz respeito aos atos de vídeo, uma boa prática, até que a regulamentação esteja mais harmonizada, seria regular por meio da implementação do Acordo Plenário sua implementação no que diz respeito às intervenções, mas ainda mantendo o ato convencional onde seriam recolhidos apenas os acordos alcançados.

Contexto Jurídico

Lei 40/2015:

Artigo 18. Atos

"1. O Secretário lavrará ata de cada reunião do colegiado, que deverá necessariamente especificar os presentes, a ordem do dia da reunião, as circunstâncias do local e hora em que foi realizada, os pontos principais das deliberações , bem como o conteúdo dos acordos adoptados.

As sessões realizadas pelo colegiado poderão ser gravadas. O arquivo resultante da gravação, juntamente com a certificação emitida pelo secretário de sua autenticidade e integridade, e todos os documentos em formato eletrônico que sirvam como documentos da sessão, podem acompanhar as atas das sessões, sem que seja necessário indicar o principal pontos das deliberações.

2. As actas de cada reunião podem ser aprovadas na mesma reunião ou na reunião seguinte. O secretário deverá lavrar a ata com a aprovação do presidente e enviá-la por meio eletrônico aos membros do colegiado, que poderão manifestar pelo mesmo meio sua concordância ou oposição ao texto, para fins de sua aprovação; em caso afirmativo, considera-se aprovado na mesma reunião.

Quando se decida gravar as sessões realizadas ou utilizar documentos em formato eletrónico, os mesmos devem ser conservados de forma a garantir a integridade e autenticidade dos respetivos ficheiros eletrónicos e o acesso aos mesmos por parte dos membros do órgão colegial . "
Vigésima primeira provisão adicional. Órgãos colegiados.
"As disposições desta Lei relativas aos órgãos colegiados não se aplicam aos órgãos colegiados do Governo da Nação, aos órgãos colegiados das Comunidades Autônomas e aos órgãos colegiados das entidades locais. . "
Soluções relacionadas



Powered by Zendesk